Oficina de Fitoterapia acontecerá no perímetro da Cohidro em Lagarto

Folha-de-Guaco,-utilizada-para-combater-a-tosse-da-gripe – Foto: Ascom/Cohidro

Lambedor de Guaco para combater a tosse da gripe; tinturas, óleos e shampoos com plantas curativas; sabão medicinal para Escabiose e sabonetes de Erva Doce; pomada de Arnica para dores e contusões. Estes são alguns dos produtos que a I Oficina de Fitoterapia e Práticas Integrativas e Populares de Cuidado propõe ensinar a teoria e a prática de feição, em duas terças-feiras de curso, nos dias 30 de agosto e 6 de setembro, na Farmácia Viva de plantas medicinais do Perímetro Irrigado Piauí, administrado pela Cohidro (Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe), no município de Lagarto.

A capacitação é voltada para agentes públicos de saúde, líderes comunitários, estudantes e pessoas ambientadas às práticas de medicina alternativa por meio do uso de plantas medicinais. A organização é iniciativa da gerência do Perímetro Piauí, da Associação de Moradores “Maria José dos Santos” do Povoado Brejo e do Movimento Popular de Saúde Sergipe (Mops). Segundo o Técnico Agrícola da Cohidro, Marcos Emílio Almeida, as vagas são limitadas e a distribuição dará preferência à comunidade abrangida pelo polo de irrigação.

“As inscrições estão sendo feitas no site da Cohidro e são abertas para qualquer pessoa, mas ao menos metade das 25 vagas estarão sendo destinadas as pessoas que residem e trabalham nos povoados Moita Redonda, Fazenda Grande, Brejo e adjacências. O restante das vagas será destinado aos demais inscritos”, explicou Marcos Emílio, informando que os interessados poderão se inscrever até a véspera, 29 de agosto, o que pode ser feito clicando aqui.

Rosimeire Barbosa, mais conhecida como Meirinha, é Coordenadora do Curso de Extensão em Farmácia no Campus de Lagarto da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Ela é responsável pelo horto de plantas medicinais criados pelo convênio entre a Cohidro e a Instituição de Ensino e vai ministrar a Oficina. Além da transmissão do conhecimento para lidar com as ervas medicinais, a intenção dela com a capacitação é envolver mais pessoas da comunidade em que ela também vive, o Povoado Brejo e redondezas, nas práticas integrativas.

“A partir destas duas terças-feiras, vamos criar um grupo de estudos e pesquisas com as mulheres deste Perímetro, o que é até mesmo uma forma de geração de renda”, explicou Meirinha. Segundo ela, embora sejam dois dias de atividades, cada um deles terá atividades diferentes um do outro. “Serão dois dias a oficina e vamos emitir certificado, para quem participar dos dois dias”, complementou, lembrando que se trata de uma realização que conta com o apoio da própria UFS, da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e Ministério da Saúde.

Farmácia Viva
Para o presidente da Cohidro, José Carlos Felizola Filho, a Farmácia Viva foi criada para desenvolver o hábito da cura pelas plantas no Perímetro Piauí. “A Empresa contribuiu doando o espaço, insumos, materiais de construção e diariamente fornece água de irrigação, além da atenção dada pelos nossos técnicos agrícolas. Ali os agricultores irrigantes participam, procurando espécies medicinais que poderão plantar em seus lotes, mas os próprios produtores levam também as plantas que eles conhecem, para enriquecer a coleção de plantas, contribuindo com os estudos e disseminação deste conhecimento popular, que assim permanece vivo”, avaliou.

João Quintiliano da Fonseca Neto, diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, esclarece que “como já é constante a visitação de estudantes nos lotes, em nossa Estação Meteorológica e nas estações de Bombeamento, acaba que este é mais um espaço, dentro do Perímetro Piauí, que contribui com o conhecimento acadêmico. Os estudantes desses cursos complementares e universitários da UFS usam desse acervo de plantas para estudo e realização de pesquisas”, concluiu.

Última atualização: 16 de outubro de 2017 11:01.