Agricultores dos perímetros irrigados devem colher quatro milhões de espigas de milho verde no período junino

O resultado da colheita é bom para o produtor, que melhora a renda familiar, e também para a população, que pode saborear os deliciosos pratos à base de milho verde
Secretário da Agricultura, Zeca da Silva, visita produção de milho em Canindé, ao lado do produtor José Marcos [Foto: Vieira Neto]

Não é exagero dizer que o milho verde é o grande protagonista das comidas típicas dos festejos juninos. E este ano não será diferente, com a expectativa de colheita de quatro milhões de espigas pelos agricultores dos perímetros irrigados mantidos pelo Governo do Estado de Sergipe. De acordo com a Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) o resultado do plantio supera a produção do ano passado, que foi de 2,8 milhões de espigas.

O secretário da Agricultura, Zeca Ramos da Silva, pontuou que a expectativa de produção é feita pelos técnicos agrícolas da Companhia de Desenvolvimento Regional de Sergipe (Coderse), empresa vinculada à Seagri que administra os perímetros públicos irrigados, nos perímetros de Canindé de São Francisco, Lagarto e Itabaiana. Neles, foram plantados 127,5 hectares dos lotes irrigados para a colheita de milho verde. “O levantamento da produção leva em conta as médias de produção nos três perímetros irrigados, que variam entre 26 mil a 40 mil espigas por hectare”, explica.

O agricultor já consegue colher os benefícios do resultado da produção em alta. Para José da Silva Andrade, irrigante do Perímetro Irrigado Piauí, em Lagarto, a vantagem de plantar milho verde é poder realizar a colheita fora de época, por um preço satisfatório. “Não são todos que conseguem ter isso. Nós conseguimos e para nós que somos produtores é muito bom”, comemora.

No perímetro Califórnia, em Canindé do São Francisco, o produtor José Marcos explica que a produção do milho irrigado tem colheita semanal com venda garantida para além das fronteiras estaduais. “O comércio do produto irrigado alavanca a economia do município e da região, e essa produção só é possível com a irrigação porque aqui no alto sertão temos longos períodos sem chuvas”, destacou.

Além de ingrediente essencial dos deliciosos pratos como canjica, pamonha, o milho é também usado para silagem, para alimentação de animais, ou, como resume o produtor do perímetro irrigado Piauí, no Povoado Brejo, Matheus Santos Jesus, “ele serve para tudo”. O produtor revela que, graças à boa irrigação, é possível plantar e colher o ano todo, sem depender da chuva. “A gente pode ter a colheita, render, agregar um valorzinho, porque tem épocas que só tem a gente e isso sempre é bom”, diz o agricultor.

Outros agricultores estão colhendo a roça de milho pela primeira vez este ano. Helenilson Santos, produtor irrigante do perímetro Irrigado Piauí, Lagarto, colheu recentemente sua primeira roça e já faz a contagem para a próxima colheita, em junho, de cerca de duas mil espigas. Santos tem planos de vender sua produção para comerciantes vizinhos, das quitandas de beira de rodovia. “Tirei as espigas verdes para o comércio local e agora estou fazendo o silo para vender para ração animal. Eu sempre vendo o milho verde e depois faço silo com a folhagem que fica ou passo o trator por cima das palhas, para correção e proteção do solo”, comenta o produtor. Segundo ele, os dois principais motivos do aumento da safra foram o tempo favorável e os insumos bem mais baratos em relação ao ano passado.

Para o diretor-presidente da Coderse, Paulo Sobral, o crescimento da produção de milho verde está diretamente relacionado ao aumento da demanda. “Nos perímetros irrigados, a água não está faltando para o irrigante plantar e colher até mais de uma vez antes de chegar o período junino. Para atender a demanda que cresceu. Tem uma extensa programação festiva na capital e no interior, do Governo do Estado, dos municípios e assim são muitos dias para comemorar os santos juninos, o que pede mais e mais milho verde”, analisou.

Mais uma vez, a produção de milho verde nos perímetros irrigados irá beneficiar famílias de produtores, e estará presente em abundância nas nossas festas juninas. “O resultado da colheita é bom para o produtor, que melhora a renda familiar, e também para a população, que pode saborear os deliciosos pratos à base de milho verde, como a canjica, pamonha, bolos ou mesmo o milho cozido ou assado”, finaliza Zeca.

[vídeo] Irrigantes pela Cohidro em Lagarto faturam com amendoim no período junino

A safra do amendoim no Perímetro Irrigado Piauí, mantido pelo Governo de Sergipe em Lagarto, já era para ter terminado. Voltando à colheita na época de verão. Mas ainda tem irrigante atendido pela Cohidro colhendo e faturando bem com o amendoim.

Isso acontece por conta da safra das lavouras de sequeiro não terem começado o ano com boas chuvas e ainda teve a retomada das festas juninas com todo gás, depois de dois anos de pandemia. Tudo motivando a alta na procura e o preço bom para a venda da produção.

Essa foi a matéria mostrada pelo programa Sergipe Rural do sábado (18), na Aperipê TV. Os agricultores do perímetro têm assistência técnica agrícola e água de irrigação fornecidas pela empresa pública. Benefício que permite a eles produzirem o ano todo, faça chuva, ou sol. Aproveitando os períodos em que o mercado é mais promissor para este ou aquele produto.

[vídeo] Barragens cheias e milho verde para o período junino em Lagarto são destaque no Agro-SE

No Perímetro Irrigado Piauí, mantido pelo Governo de Sergipe em Lagarto, a produção de milho verde é constante, mas para o período das festas juninas, a expectativa é de que os irrigantes atendidos com água de irrigação e assistência técnica agrícola pela CohidroSE colham 579 mil espigas, de um total de 2.847.200 que todos os perímetros irrigados estaduais vão produzir no mês.

Esta foi uma das histórias que o programa Agro-SE, da TV Atalaia, mostrou na quarta-feira, dia 15. Eles visitaram produtores que plantam com a irrigação da Cohidro, ainda no período de estiagem, para colher agora no período de chuva. Confiantes da retomada das festividades depois do fim das restrições sanitárias da pandemia, mas garantidos de que se não vender o milho em espiga, tem muita demanda para a produção de ração animal.

O Agro Sergipe também mostrou que em Itabaiana, as barragens dos perímetros irrigados Poção da Ribeira e Jacarecica I, foram carregadas pelas chuvas das últimas semanas. A do Jacarecica I, encheu, com a água extravasando pelo vertedouro do reservatório já no último dia do mês de maio.

Na barragem Ribeira, que teve sua capacidade ampliada pelas obras de desassoreamento do Programa Pró-Campo, do Governo do Estado. Hoje já vertendo, na época da matéria faltam centímetros para o reservatório verter. Suprindo a expectativa dos técnicos da Cohidro, que administra também estes outros dois perímetros irrigados, e dos 466 irrigantes.

 

[Vídeo] Perímetro irrigado de Lagarto vai ter muito milho verde para as festas juninas

O Programa Sergipe Rural, da Aperipê TV, esteve no Perímetro Irrigado Piauí, mantido pelo Governo de Sergipe em Lagarto; para mostrar que os polos irrigados administrados pela Cohidro estão estimando uma produção de milho verde de 2.847.200 espigas. Colheita maior que a do ano passado. A reportagem foi exibida no último sábado (29).

É estímulo ao produtor o fim do isolamento social por conta da pandemia. O que permitiu a realização de eventos públicos. De olho nas pessoas que vão festejar São João e São Pedro, o irrigante aposta em áreas maiores do que no ano passado. Como é visto em lagarto, onde os irrigantes deverão colher em torno de 600 espigas.

[vídeo] TV Atalaia destaca colheita do perímetro Piauí na produção de milho para São João

Assista o vídeo apontando a câmera do seu celular para o QR Code

Em reportagem da Tv Atalaia sobre a oferta de milho verde para as festas juninas na Ceasa Aracaju, teve a informação de que o Perímetro Irrigado Piauí, ao qual a Cohidro fornece irrigação e assistência técnica agrícola em Lagarto, é um dos principais fornecedores do produto dentro do estado.

No perímetro de Lagarto, somente para o São João é esperada uma colheita de 397.800 kg, equivalente a 612 mil espigas. De janeiro até o fim de junho, a expectativa é de 1 milhão de unidades, já que a produção de milho é durante o ano todo, destacou o gerente do Perímetro, Gildo Almeida.

O secretário de Estado de Agricultura, André Bomfim, expôs também que Sergipe desponta para bater recorde de produção de milho por mais um ano seguido.

Perímetro irrigado de Lagarto estima colheita de 1M de espigas de milho verde até o São João

Produtividade média no perímetro administrado pela Cohidro é de 20 mil espigas por hectare
Renilson de Jesus [foto reprodução]
Às vésperas do ciclo junino, os levantamentos prévios da produção de milho verde no Perímetro Irrigado Piauí, em Lagarto, já registram aumento. O incentivo da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), que fornece irrigação e assistência técnica agrícola aos lotes durante o ano inteiro, tem repercutido na expectativa de colheita de 663 toneladas de milho verde, de janeiro até o São João, auge da demanda pelo produto. No comparativo com 2020, é possível verificar que, somente a parcial de sete meses, já supera o resultado registrado no ano passado quando foram colhidos 523.190 kg. O bom preço e a expectativa de um mês junho mais aquecido para as vendas têm incentivado o aumento da produção entre os irrigantes.Renilson de Jesus, agricultor irrigante do perímetro Piauí, conta que decidiu cultivar o milho verde pela rapidez da colheita e pelo fácil comércio. Ele, como quase todo produtor com lote no perímetro irrigado de Lagarto, cultiva uma parte da área com o milho, nem que seja para o consumo da família durante as festividades de Santo Antônio, São João e São Pedro.  “Decidi plantar pela questão da agilidade. São 75 dias para colher esse milho ‘feroz’ aqui. Posso colher de inverno a verão e repassar para os compradores”, explica. O que anima bastante os agricultores é o preço que eles estão conseguindo pelo produto: estão vendendo a espiga, no campo, por R$ 0,40 a unidade.Apesar da tradição do município ser o plantio da mandioca, em que o cultivo pode ser feito todo sem irrigação, com a chegada do perímetro irrigado em Lagarto, os agricultores têm mudado seus investimentos, como aponta o gerente do Piauí, Gildo Almeida. “Hoje os produtores estão investindo mais na rotação de cultura e, com a assistência técnica da Cohidro aqui no perímetro, o milho verde está sendo produzido em grande quantidade no ano todo”, afirma o gerente. Gildo destaca que, além da venda do milho para consumo, boa parte da produção também é utilizada como silagem para alimentação animal. Dessa forma, o risco que o produtor irrigante tem com o milho é mínimo. Se ele não conseguir escoar a produção de espigas, pode vender os pés de milho – com ou sem espigas – para servir de ração.Para o agricultor Rafael Barbosa, que utiliza o sistema de irrigação por gotejamento para produzir milho verde continuamente, no perímetro Piauí, somente em seu lote, a previsão de produtividade gira em torno de 38 mil espigas por hectare. “Com a irrigação, conseguimos manter a produção o ano todo, mas para a época do São João o plantio deve ser feito em abril. Aí conseguimos vender tanto para as cidades vizinhas quanto para fora do estado. E o que sobra damos para o gado”, conta Rafael.  Mais eficiente, em comparação aos sistemas de aspersão, a irrigação por gotejamento é localizada, só molhando o pé da planta, sem desperdiçar água – o que também favorece o uso da fertirrigação, quando os fertilizantes são diluídos na água da irrigação para adubar a planta automaticamente.Segundo o gerente do perímetro Piauí, neste ano, o plantio começou cedo. “No mês de janeiro já tínhamos áreas plantadas. A previsão é de mais de 51 hectares plantados, dando uma estimativa de produção de mais de 663 mil kg de milho verde colhidos até o fim do mês de junho”, afirma Gildo Almeida. Considerando a média de 20 mil espigas por hectare registradas no perímetro irrigado de Lagarto, a produção esperada até São João é de 1.020.000 de espigas colhidas.

[vídeo] Sergipe Rural mostra que perímetro de Lagarto mantém tradição junina do milho verde

Assista o vídeo no seu celular, apontando a câmera para o QR Code
Assista o vídeo no seu celular, apontando a câmera para o QR Code

Cerca de 42 hectares do Perímetro Irrigado Piauí, administrado pela Cohidro em Lagarto, foram destinados ao plantio do milho para o período junino e dessa área é esperada à colheita de 840 mil espigas de milho verde até o fim de junho. No sábado (27) o programa Sergipe Rural, da Aperipê TV, mostrou o exemplo do lote do irrigante Gilvan Fontes, que plantou mesmo com o preço de venda menor, reflexo na baixa de consumo pela proibição das festas juninas durante a pandemia do coronavírus. O produtor, como a maioria dos 421 irrigantes assistidos no perímetro, dedicou uma parte do lote para o milho verde, seja para venda, seja para o próprio consumo durante o período em que é forte a tradição das comidas típicas à base do milho.

 

Cohidro estima que produção de milho verde pode superar 2,4 milhões de espigas em perímetros no período junino

Com procura reduzida durante pandemia, agricultores destacam outras finalidades para o produto

[foto: Fernando Augusto]
No São João de 2020, é esperada a colheita de 2.440.000 espigas de milho verde, nos perímetros irrigados do governo estadual, gerenciados pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro). Iniciada em maio, a colheita dos lotes que recebem abastecimento de água pela companhia irá até o final de junho. A expectativa de colheita se equipara a do ano anterior, que contabilizou a produção de 2.480.000 espigas de milho, em meio ao prolongado período de estiagem que comprometeu a capacidade hídrica de barragens e a irrigação dos lotes. Neste ano, a grande produção de milho contrasta com a redução da procura pelo produto, em razão do isolamento social para enfrentamento à pandemia de Covid-19. Mas isso não desanima os irrigantes.

O produtor rural Ozeias Beserra, por exemplo, possui lote no Perímetro Irrigado Califórnia, em Canindé de São Francisco. Ele tem 0,5 hectares plantados em duas áreas, de onde poderão ser colhidas, na semana de São João, cerca de 10 mil espigas. “Tem muito milho plantado e, pelo que estou vendo, será difícil para vender. Mas, não tomo prejuízo, porque aqui o milho que plantamos fica também para os animais, serve de ração. Uma parte que seca vai para as galinhas, e das palhas do milho a gente faz o ‘rolão’. Da palhagem mais verdosa, faz silagem. Este ano, ainda quero plantar umas quatro roças de milho, porque participo do projeto do PAA (Programa Aquisição de Alimentos)”, disse o produtor rural. No Califórnia, em todos os lotes, é aguardada a colheita de 960.000 espigas.

A Cohidro administra os perímetros estaduais, fornecendo aos produtores irrigação, assistência técnica rural e assessoria em agronegócio. O diretor-presidente da companhia, Paulo Sobral, destaca que os projetos das associações de produtores junto ao Programa Aquisição de Alimentos (PAA), aprovados em 2019, começaram a ser pagos e, no período de um ano, movimentarão cerca de meio milhão de reais nos perímetros. “Vem em boa hora a notícia de que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que administra o PAA, está liberando os pagamentos para a compra da produção dos 59 irrigantes cadastrados. Essa venda pública ajuda o produtor rural, com dificuldade de vender em meio à pandemia. Como é na modalidade ‘doação simultânea’, mais de 150 toneladas de alimentos serão doadas para entidades que atendem cerca de 6,6 mil pessoas em vulnerabilidade social, situação também agravada pelo isolamento social provocado pelo coronavírus”, explica o diretor.

A produção de milho gera outros benefícios ao agricultor por ser um alimento com múltiplos usos, reforça o diretor de Irrigação e Desenvolvimento Rural da Cohidro, João Fonseca. “O milho verde é tradicional no período junino e quase a totalidade dos lotes dos perímetros irrigados aumentam suas áreas visando à comercialização da espiga neste período. O excedente é comercializado para produção de silagem, principalmente para o rebanho leiteiro, e também vira milho em grão, que gera maior integração irrigado-sequeiro”. O perímetro irrigado que menos sentiu a situação de emergência da pandemia foi o Piauí, em Lagarto. Lá, são esperadas 840 mil espigas colhidas no período junino. “Neste perímetro, muitos que não viram futuro no milho verde para o São João, por causa do isolamento social, estão migrando para produção do milho em grão, que está com preço bom, em média R$ 50 a saca”, acrescenta o diretor.

O produtor rural Genivaldo de Azevedo é irrigante no perímetro Piauí, em Lagarto, e afirma que o milho verde tem procura o ano todo. “Está sendo o ponto forte aqui. O coronavírus, infelizmente, está judiando a gente. Nós até pensávamos que não iria vender, por conta dessa doença triste, mas a procura até que está boa”, considerou o agricultor, que tem vendido a unidade da espiga entre R$0,40 e R$0,50. “A Cohidro nos dá assistência aqui o ano inteiro, com abastecimento de água e com os técnicos, que acompanham a gente. Temos um gerente do perímetro (Gildo Almeida) que dá todo o suporte aos agricultores, incentivando, correndo atrás de projetos, dando assistência técnica. Graças a Deus, só temos a agradecer”, pontua o agricultor.

[galeria de fotos] Arraiá da Cohidro tem forró, comidas típicas e homenagens

Funcionários da sede da Cohidro em Aracaju fizeram nesta sexta-feira (28), véspera de São Pedro, a sua confraternização junina, animada pelo trio pé de serra Capunga do Forró e muita comida típica do período em que são comemorados os dias dos santos Antônio, João e Pedro. Comilança por muitos balanceada na hora do arrasta-pé.

A festa congregou os servidores de todos os setores que, reunidos, presentearam com uma placa honorífica o economista Carlos Alberto Coutinho, que no mesmo dia se despedia da empresa para integrar o time técnico da coirmã Deso. Ele vinha desempenhando papel estratégico na assessoria de finanças da empresa, influenciando no bom andamento dos projetos de todos os setores da companhia.

Organizado pelo assessor institucional Janailson Farias, o evento contou com a presença dos diretores da Cohidro Paulo Sobral (presidente) e João Fonseca (Irrigação). Foi prestigiado ainda pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Purificação e Distribuição de Água – Sindisan, Sílvio Sá.

 

Fotos: Fernando Augusto e Ana Rute

Jacarecica I se prepara para abastecer o São João

A equipe do programa Sergipe Rural foi ao Perímetro Irrigado Jacarecica I, em Itabaiana, mostrar as lavouras de milho e amendoim ficando prontas para a colheita e para abastecer os arraiás daqui e até de outros estados. Os lotes são assistidos pelo Governo do Estado, através da Cohidro, no fornecimento de água para irrigação e com assistência técnica rural.

A edição de hoje foi especial, comemorando a exibição de 200 programas Sergipe Rural foi ao ar 7h30; mas tem reprise no domingo, 8h30 e quarta-feira, 9h, pela Aperipê TV, canal 6.1 digital.

Última atualização: 26 de junho de 2019 11:36.