Governo do Estado disponibilizará análise de solo para agricultores de perímetro irrigado em Lagarto

100 amostras serão coletadas no Perímetro Irrigado Piauí com o objetivo de auxiliar o cultivo, determinando os melhores plantios para a área analisada. Até dezembro, o Governo fará 3.786 análises no estado

 

[Foto: Fernando Augusto]
Agricultores familiares que recebem irrigação pública no Perímetro Irrigado Piauí, em Lagarto, receberão 100 análises de solo realizadas pelo Governo de Sergipe. Administrado pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), o Perímetro Piauí se destaca pela produção de milho, mandioca, maracujá, batata-doce, entre outras culturas. Para esta ação, a Cohidro orienta os agricultores sobre os métodos de coleta, através de vídeos educativos ou auxílio presencial, além de receber as amostras de solo.

As análises serão feitas a partir de convênio entre a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), também vinculada à Seagri, e o Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS). O objetivo é auxiliar o cultivo dos agricultores, determinando os melhores plantios para a área analisada e o tipo certo de adubação de correção, a partir dos resultados laboratoriais que indicarão a composição e a presença, ou não, de nutrientes naquele solo. Até dezembro, o Governo do Estado fará 3.786 análises. Destas, 1/4 será coletada na região do Semiárido e 3/4 na Região Citrícola, onde se inclui o Perímetro Irrigado Piauí.

A análise de solo, feita antes de um novo plantio, oferecerá mais segurança e economia para plantar, acredita o irrigante Valmir Barbosa, do Perímetro Piauí. “Geralmente, acontece da gente plantar algumas culturas e termos perdas. Ficamos na dúvida se é o solo, praga, ou a [qualidade da] muda. Com a análise, a gente vai trabalhar com mais segurança, sabendo realmente o que está plantando e uma previsão da produtividade que podemos alcançar. Vamos até economizar, porque aplicaremos a adubação certa. Com certeza, vai economizar muito no bolso”, confia o produtor, que fez a análise numa área com mandioca, onde pretende replantar a raiz ou trocar por milho ou amendoim.

Técnico em Agropecuária da Cohidro, José Américo explica como é feita a coleta da amostra de solo. “Primeiro, escolhe um balde e uma ‘enxadeca’. Depois, tem que limpar uma área e faz uma cova em formato de V, com cerca de um palmo (22cm) de profundidade, para assim retirar a amostra de uma das paredes da cova, tirando uma fatia de terra de cima a baixo. O local só não pode ter formigueiro, ter recebido esterco ou ser ao redor de casa, pois mascara a amostra”. O técnico orienta ainda que a quantidade de amostras dependerá do tamanho da área, tendo como referência de 10 à 15 coletas por hectare. “Depois, mistura todas as coletas e limpa [tirando pedras, raízes, galhos e folhas], deixando apenas a terra. Finalmente, desta terra, escolhe cerca de 500g e entrega para a Cohidro, em uma sacola limpa e bem amarrada”, complementa José Américo. Após o recebimento, a Cohidro enviará as amostras para a Emdagro.

Aos agricultores que não sabem fazer a coleta de amostra de solo ou não têm acesso à Internet para assistir aos vídeos explicativos, produzidos e distribuídos via aplicativo de mensagem, os técnicos da Cohidro irão até os irrigantes. “Além de prestar orientações, a Cohidro acompanhará e fará todas as correções junto aos agricultores, após a análise dos resultados finais, que indicarão os nutrientes necessários para a terra ter melhor produtividade. Eles vão fazer a plantação de acordo com o que estiver necessitando. Foi um benefício bem-vindo, porque é gratuito e será de grande valia para a produção do perímetro”, destaca o gerente do perímetro irrigado Gildo Almeida.

O secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, destaca a importância do Perímetro para o setor produtivo e ressalta que a ação é resultado do trabalho conjunto entre a Seagri e suas empresas vinculadas (Cohidro e Emdagro). “Esta é uma ação prioritária do Governo de Sergipe e é um exemplo de que, cada vez mais, estamos alinhados no diálogo entre Seagri e suas vinculadas. A análise de solo vai potencializar ainda mais a produção no Perímetro Piauí, em Lagarto, um dos quatro sistemas públicos de irrigação, que se destaca pela produção de milho verde, que atende mercados sergipanos e baianos, e também é exemplo de diversificação de culturas como mandioca, maracujá, batata-doce, entre outras culturas da agricultura familiar”, argumenta André.

[vídeo] Sergipe Rural mostra entregas e assinaturas de ordens de serviço e licitação na Cohidro

Assista o vídeo apontando a câmera do seu celular para o QR Code

A equipe do programa Sergipe Rural, formada pelo cinegrafista Jorge Henrique e a repórter Ingrid Colaço, esteve na Cohidro no dia 13, para mostrar a cerimônia de entrega da obra de reformas dos galpões da sede da companhia, onde foram investidos R$ 514.309,84 para a recuperação da estrutura metálica, paredes e parte elétrica.

A Secretaria de Estado da Agricultura (SEAGRI) entregou também 20 motos oriundas de emenda parlamentar do deputado federal João Daniel, sendo que duas foram destinadas ao Perímetro Irrigado da Ribeira, administrado pela Cohidro em Itabaiana.

No evento foram assinadas as ordens de serviço para os sistemas de abastecimento em 29 localidades rurais em Aquidabã, Areia Branca, Canindé de São Francisco, Cristinápolis, Estância, Gararu, Graccho Cardoso, Ilha das Flores, Indiaroba, Itabi, Itaporanga D’ajuda, Japaratuba, Monte Alegre de Sergipe, Neópolis, Poço Verde, Riachão do Dantas, Riachuelo, Santo Amaro das Brotas, São Cristóvão, Santa Rosa de Lima, Tomar do Geru e Umbaúba; beneficiando 874 famílias. 20 do Programa Água para Todos, via Seagri; nove de emenda parlamentar de João Daniel, via Secretaria de Estado da Inclusão (SEIAS).

Assinadas também as autorizações para licitações de outros quase R$ 1,6 milhão para construir 15 sistemas de abastecimento, a revitalização do prédio administrativo da sede da Cohidro e a compra de registro, válvulas, tubos e conexões utilizados na recuperação das estações de bombeamento e das linhas de distribuição de água para irrigação nos perímetros da Cohidro.

Governo autorizou obras e licitações para implantação de sistemas de abastecimento e aquisição de equipamentos para Cohidro

Governo de Sergipe também coloca 20 motocicletas à disposição de prefeituras, associações Cohidro e Seagri para fortalecer a agricultura familiar
[Foto: Vanessa Passos]

Nesta quinta-feira, 13, representando o governador Belivaldo Chagas, o secretário Geral de Governo, José Carlos Felizola, participou da solenidade de anúncio de uma série de investimentos para o estado de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri), a partir da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação (Cohidro). Na ocasião, foram assinadas ordens de serviço e autorizada licitação para execução de sistemas de abastecimento de água no interior do estado e aquisição de equipamentos para Cohidro.

Também foram entregues motocicletas a prefeituras e cooperativas sergipanas com objetivo de fortalecer a atividade agropecuária familiar. O Governo de Sergipe, por meio da Seagri, colocou à disposição de prefeituras, associações e cooperativas 20 motocicletas. O investimento é da ordem de R$ 299.000,00, originado de emenda parlamentar do deputado João Daniel, visando o fortalecimento da produção agrícola e pecuária familiar por meio do apoio da assistência técnica e social do Estado.

José Carlos Felizola [Foto: Vanessa Passos]
“Hoje é um dia importante para o Governo do Estado, estamos entregando motocicletas tanto para prefeituras quando para diversas associações e dando ordem de serviço para a construção de sistemas simplificados de abastecimento de água, bem como de outras obras de infraestrutura para fortalecer a agricultura familiar, investir no homem do campo e fortalecer a cadeia produtiva agrícola do estado de Sergipe”, destacou Felizola.
André Bomfim [Foto: Vanessa Passos]
O secretário de Estado da Agricultura, André Bonfim, também ressaltou a importância do benefício. “Essas motos irão fomentar o trabalho de assistência técnica, extensão rural, que é feito pelos municípios e também pelas cooperativas aqui do nosso estado, inclusive o próprio Governo também tem duas motos dessas entregues à Cohidro, que ficarão à disposição do perímetro”, afirmou.
O incentivo à atividade agropecuária tem uma grande importância econômica para as instituições de apoio às atividades produtivas das comunidades rurais, principalmente no atual período de pandemia, com significativo impacto da Covid-19 na agricultura familiar. Portanto, a distribuição das motocicletas tem também as finalidades de se somar às diversas ações emergenciais do Estado para mitigação e resposta ao impacto da pandemia na preservação do homem do campo no campo, no apoio à busca de crédito, na elaboração de projetos e nas ações de segurança alimentar e nutricional das famílias do interior sergipano.
Foram entregues 20 veículos do tipo motocicleta Yamaha/Crosser 20/21, 150 cilindradas, partida elétrica, injeção eletrônica, flex (gasolina e etanol) ano de fabricação 2020, modelo 2021. Dois veículos serão destinados à Cohidro; dois à Seagri; sete para as prefeituras de Carira, Canindé de São Francisco, Cristinápolis, Feira Nova, Indiaroba, Salgado e Santa Luzia do Itanhi; quatro para cooperativas de produtores rurais; quatro para sindicatos de trabalhadores rurais e um para uma Associação Agro Industrial.

Ordem de Serviço
Foram assinadas, também, Ordem de Serviço para construção de 20 sistemas simplificados de abastecimento de água em 15 municípios, a partir de poços, da 2ª fase do Programa Água para Todos, com recursos originados do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Paulo Sobral [Foto: Vanessa Passos]
O diretor-presidente da Cohidro, Paulo Henrique Sobral, destaca o compromisso do Governo do Estado com o homem do campo, levando água para as comunidades que realmente necessitam. “Hoje, assinamos a ordem de serviço de dois convênios: um é o Água para Todos, com 20 sistemas que vão atender 20 comunidades e o outro é um convênio, oriundo de emenda de deputado João Daniel, no qual novos sistemas que também vão atender nove comunidades no abastecimento de água, água de qualidade, água potável, que é de fundamental importância para Sergipe”, ressaltou.
Em sua fala, o secretário Geral de Governo, José Carlos Felizola, destacou, também, a importância da Companhia para o estado. “A Cohidro é muito mais que a administradora dos nossos perímetros irrigados, a Cohidro é uma das responsáveis, por exemplo, por termos uma cesta básica mais barata no estado. E temos, além dos perímetros, micro perímetros em todo o estado, que produzem hortaliças e alimentos que fortalecem a agricultura familiar.
A Companhia, ainda, leva água à população de comunidades de difícil acesso, o que representa levar dignidade ao nosso povo”, reiterou.
Lucivanda Nunes, secretária de Estado da Inclusão e Assistência Social [Foto Vanessa Passos]
O valor contratado para esta obra de perfuração de poços tubulares profundos e instalação de sistemas simplificados de abastecimento é de R$ 2.030.108,99. Serão beneficiadas cerca de 600 famílias, dos municípios de Aquidabã, Cristinápolis, Estância, Ilha das Flores, Indiaroba, Itaporanga D’ajuda, Japaratuba, Neópolis, Poço Verde, Riachão do Dantas, Riachuelo, Santo Amaro das Brotas, São Cristóvão, Santa Rosa de Lima e Umbaúba.
“Hoje também é um dia importante para a nossa cidade e para o nosso estado. Como gestor do município de Canindé de São Francisco, venho aqui dizer a importância desse grandioso projeto que está chegando para os nossos municípios, para os nossos munícipes, para ajudar aquele povo sofrido, em especial, o povo da minha cidade com o Água para Todos”, enfatizou Weldo Mariano de Souza, prefeito de Canindé do São Francisco.
A primeira fase do Programa Água para Todos, concluída em 2018, atendeu a 37 localidades rurais em 18 municípios sergipanos. Com a distribuição de água de qualidade para mais de 6.300 pessoas beneficiadas com investimento de mais de R$ 4,3 milhões.
João Daniel [Foto: Vanessa Passos]
Foi assinada, também, Ordem de Serviço para perfuração de oito Poços Artesianos em povoados e assentamentos de oito municípios, sendo eles: Areia Branca, Canindé de São Francisco, Indiaroba, Itabi, Graccho Cardoso, Monte Alegre de Sergipe, São Cristóvão, Tomar do Geru, beneficiando 241 famílias. O investimento é de R$ 124.229,40 e o recurso é proveniente de emenda do deputado federal João Daniel.
Felizola assinou, ainda, Ordem de Serviço para construção de 9 Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água a partir de Poços em Povoados e Assentamentos em 09 municípios, sendo eles: Areia Branca, Canindé de São Francisco, Gararu, Indiaroba, Itabi, Graccho Cardoso, Monte Alegre de Sergipe, São Cristóvão, Tomar do Geru. A ação beneficia 271 famílias, a partir de um investimento de R$ 278.409,51, por meio de emenda do deputado João Daniel.
Licitações
O secretário Felizola, o deputado federal João Daniel, a Seagri e a Cohidro assinaram Autorização de Licitação de Obras para construção de 15 sistemas simplificados de abastecimento de água com rede de distribuição para povoados e assentamentos de cinco municípios: Cristinápolis, Estância, Indiaroba, Lagarto e Riachuelo. O valor destinado à obra é de R$ 900.000,00. Os recursos são oriundos de emenda parlamentar do deputado federal João Daniel.
O Governo do Estado autorizou, também, a Licitação para aquisição de peças mecânicas a serem utilizadas em obras de recuperação dos perímetros irrigados, por meio de recursos próprios, no valor de R$ 359.215,32. Serão adquiridos registro, válvulas, tubos e conexões utilizados na recuperação das estações de bombeamento e das linhas de distribuição de água para irrigação nos perímetros irrigados da Cohidro, situados em área dos municípios de Canindé de São Francisco e Itabaiana.
[Foto: Fernando Augusto]
Com o objetivo de proporcionar um melhor ambiente de trabalho e maior eficiência na execução de funções para os servidores da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação, o gestor da Secretaria de Estado Geral de Governo autorizou a Licitação de Obras para reforma civil do prédio administrativo da sede da Cohidro em Aracaju, com recursos próprios, no valor de R$ 326.194,19. A obra vai contemplar o reparo e substituição de peças do telhado, rede elétrica e hidráulica do edifício que abriga diretorias Financeira e Administrativa e Presidência da Cohidro, em Aracaju. O secretário Felizola, na ocasião, entregou, ainda, oficialmente, a recuperação das coberturas dos almoxarifados e oficinas da sede da Cohidro. A reforma, fruto de um investimento de R$ 514.309,84, garante melhor segurança e condição de trabalho aos funcionários, além da conservação do material de expediente, veículos, equipamentos de irrigação, perfuração e instalação de poços guardados nestes prédios.

Fonte: Agência Sergipe de Notícias
Fotos: Vanessa Passos, Fernando Augusto e Gabriel Freitas

 

DIA DA ÁGUA | Governo do Estado amplia acesso à água para comunidades rurais

Entre recursos próprios e captados pela Seagri e Cohidro, investimentos para 2021 ultrapassam R$ 7,8 milhões
Foto: Ascom/Cohidro

Este Dia Mundial da Água, 22 de março, é de celebração. A Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) firmou cooperação com a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) para a aplicação de R$ 7,8 milhões na construção de sistemas de abastecimento de água a partir de poços tubulares em municípios sergipanos. Com recursos estaduais, federais e internacionais, a Cohidro irá cuidar da perfuração e instalação de novos poços e, juntamente com a Seagri, busca recursos de emendas parlamentares para continuar a investir na revitalização da irrigação pública ofertada pelo Governo de Sergipe nos seis perímetros irrigados que administra, fornecendo a água que torna agricultáveis 3.415 hectares de terra, em benefício de 13,8 mil pessoas no campo.

“Já revitalizamos a estrutura civil de três estações de bombeamento [EBs] e estamos partindo para a quarta obra, no Perímetro Irrigado Califórnia, em Canindé; e duas no Perímetro Irrigado Piauí, em Lagarto. Em todas, o que conta é a melhoria na condição de trabalho e o aumento da garantia da prestação contínua do serviço de fornecimento de água ao produtor irrigante, aumentando o rendimento e a vida útil de equipamentos e instalações”, afirma o diretor-presidente da Cohidro, Paulo Sobral. Segundo ele, o agricultor beneficiado pela irrigação do Governo do Estado tem contribuindo para as obras nos perímetros, através do pagamento da tarifa d’água, que é revertida em melhorias. “Buscamos agora um incremento em recursos para recuperar, por exemplo, os nossos canais de irrigação e fazer a troca de motores elétricos e bombas, muitos em operação há mais de 30 anos”, conta.

O secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, destacou que, em 2021, a prioridade da SEAGRI serão os investimentos em segurança hídrica. “Nos últimos meses, conseguimos assegurar recursos e firmamos parcerias importantes com a Cohidro no intuito de minimizar os efeitos da escassez de água nas comunidades rurais, tanto para fins de abastecimento humano quanto para as ações produtivas, possibilitando sistemas de irrigação que fomentarão a renda das famílias, a exemplo das ações via Projeto Dom Távora”. André afirma, ainda que, para além dos sistemas de irrigação, alguma áreas já foram visitadas para elaboração de projetos de construção de grandes barragens. “É o caso, por exemplo, de Santa Rosa do Ermírio, com grande potencial para fortalecer a cadeia produtiva do leite naquela região”, indica.

No projeto Dom Távora, fruto de acordo internacional firmado entre o Governo de Sergipe e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), são investidos R$ 351 mil para implantar cinco sistemas simplificados de abastecimento de água em Carira, Poço Verde e Tobias Barreto. Nestes dois últimos, já foi iniciada a perfuração dos poços. Em breve, também terá início a segunda edição do Programa Água para Todos: outra cooperação entre a Seagri e a Cohidro para, com recursos federais na ordem de R$ 2,5 milhões, implantar 20 sistemas de abastecimento em benefício de mais de 3 mil pessoas em povoados de Ilha das Flores, Neópolis, Poço Verde, Riachão do Dantas, Itaporanga D’ajuda, Riachuelo, Santo Amaro das Brotas, São Cristóvão, Japaratuba, Santa Rosa de Lima, Aquidabã, Cristinápolis, Estância, Indiaroba e Umbaúba.

O secretário da Agricultura destacou, ainda, que conseguiu renovar parcerias para a continuidade de programas federais de segurança hídrica. “Já garantimos continuidade, em 2021, das parcerias com o Governo Federal para execução além do Água Para Todos, do programa Água Doce, que até dezembro do ano passado estava sob gestão da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (SEDURBS) e, agora, está sob a coordenação estadual da SEAGRI. Pelo Água Doce temos um saldo financeiro de R$ 2.51 milhões que serão investidos na manutenção dos 29 sistemas de dessalinização já implantados, em nove municípios, e construção de mais cinco sistemas”, anuncia André Bomfim.

Riachuelo terá nova rede de distribuição de água para mais de 150 famílias rurais

Perfuratriz da Cohidro no povoado Fundão [Foto: Prefeitura de Riachuelo]
Governo de Sergipe, município e empresa privada firmam parceria para abastecimento residencial nos povoados Bela Vista e Fundão

Mais de 150 famílias dos povoados Bela Vista e Fundão, no território quilombola Quebra-Chifre, em Riachuelo, município do agreste sergipano, receberão água em casa através da construção de uma rede de distribuição residencial de água captada em poços tubulares. O Governo de Sergipe, através da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), firma termo de cooperação com a Prefeitura de Riachuelo para a construção da rede. Com investimento de R$ 3,1 mil, através de recursos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Funcep), a Cohidro já fez a recuperação de um poço no Bela Vista e realiza a perfuração de um poço no Fundão, para servir à rede de distribuição. Já a prefeitura de Riachuelo colabora com o fornecimento de materiais para esta nova perfuração e fará a obra de instalação da nova rede.

A representante comunitária nos povoados, Alcilene Rosa, explica que o poço existente no Bela Vista não tinha a infraestrutura necessária para fazer a água chegar às casas e, com o crescimento populacional da comunidade, o poço não consegue atender a demanda. “No Bela Vista, só existe um chafariz. A comunidade está crescendo e é um sofrimento para essas famílias, todos os dias, carregar vasilhames debaixo do sol para poder levar água até as suas casas. A junção dos dois poços, o do Bela Vista e o novo do Fundão, possibilitará a essas pessoas uma água de qualidade e também melhorará o abastecimento, levando a água até suas casas. O sonho das famílias é, um dia, poder tomar um banho de chuveiro. O que para muitos é algo comum, mas para aquelas famílias será novidade”, declara Alcilene.

O secretário de Estado da Agricultura (Seagri), André Bomfim, conta que um estudo publicado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em 2018, identificou que uma das principais dificuldades da comunidade vem sendo o acesso à água para o consumo humano. E destaca que uma das soluções surgiu do diálogo entre a Seagri e sua empresa vinculada, a Cohidro, a comunidade local, a Prefeitura de Riachuelo e a empresa Linhas de Energia do Sertão Transmissora S.A. (LEST), que desempenha medida compensatória pela construção da rede de alta tensão Xingó-Jardim, que passa dentro daquele território quilombola. “Parabenizo a continuidade das cooperações que a Cohidro tem feito com os municípios para ajudar no acesso à água para as comunidades rurais. Nesse caso de Riachuelo, fortalecerá muitas atividades produtivas como também contribuirá para a segurança hídrica das famílias que vivem na comunidade”, pontuou André Bomfim.

A Cohidro, segundo o seu diretor-presidente, Paulo Sobral, já investiu na mão de obra e na instalação de novos quadro de comando e bomba elétrica no antigo poço do Bela Vista. As peças, no valor de R$ 3.156,56, foram adquiridas com recursos do convênio com a Secretaria de Estado da Inclusão e Assistência Social (SEIAS), que destinou à companhia cerca de R$ 1 milhão do Funcep. “Este poço do Bela Vista foi concluído pela Dipoços [Divisão de instalação e Manutenção de Poços da Cohidro], devolvendo a sua capacidade de produção. Como a comunidade cresceu e ainda tem o povoado vizinho, que também vai ser atendido pela nova rede, já estamos com a nossa máquina perfuratriz na localidade para fornecer ao sistema o novo poço. Nesta segunda etapa, contamos com a cooperação da prefeitura municipal no fornecimento dos insumos necessários para perfurar e fazer a sustentação do poço”, explicou Paulo Sobral.

O prefeito de Riachuelo, Petinho de João Grande, manifestou em suas redes sociais a satisfação na cooperação entre o município, Estado e iniciativa privada para atender à comunidade. “Vamos resolver um problema que afeta os moradores há um bom tempo. Instalaremos mais um poço para que seja distribuída uma água de qualidade para cada casa daquela localidade. A Prefeitura Municipal de Riachuelo, através das Secretarias de Agricultura e Infraestrutura, leva mais esperança e dignidade para as pessoas dos povoados Bela Vista e Fundão. É importante lembrar que as ações decorrem de uma parceria firmada com a Cohidro. Nossos primeiros dias de gestão estão sendo intensos, mas isso é trabalho que vai gerar mais qualidade de vida para a nossa gente. É isso que queremos!”, finalizou o prefeito.

ÁGUA NO CAMPO | Convênios entre Governo Estadual e Incra trazem R$ 5,6 milhões para Sergipe

Estima-se que nos primeiros meses R$ 1,4 milhão seja executado em parceria com a Cohidro.

Secretário André Bomfim [Foto: Ascom/Seagri]
O Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), firmou convênios com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), totalizando o valor de R$ 5,6 milhões, que serão investidos em Sergipe, em ações de Regularização Fundiária, fortalecimento da Bacia Leiteira e Agroindustrialização no Médio e Alto Sertão; acesso a água para comunidades rurais; titulação e regularização de Colônias Agrícolas.

Nos primeiros meses do ano, espera-se executar R$ 1,4 milhão em parceria com a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), para a implantação de Sistemas de Abastecimento de Água em projetos de assentamento de reforma agrária de cinco municípios, através da perfuração de poços tubulares profundos e instalação de equipamentos de bombeio, reservatório e rede de distribuição domiciliar.

Além da Cohidro, a concessão de R$ 3.033.300,00 será realizada para a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), destinados à regularização fundiária, com a concessão títulos definitivos de terra a, pelo menos, 1.416 famílias de Riachão do Dantas.

Outro convênio prevê o repasse de R$ 760 mil para fortalecimento da bacia leiteira e agroindustrialização no Médio e Alto Sertão. “Com esses recursos, investiremos no melhoramento genético do rebanho com inseminação artificial de cerca de 400 animais e, inovando, também na transferência de embrião. Investiremos, ainda, em um banco de palma para produção de forragem animal; reforma e equipagem da agroindústria fruto do projeto da Associação do Assentamento Barra da Onça, em Poço Redondo”, revela o secretário André Bomfim. O último convênio dá continuidade a uma ação iniciada pelo Governo de Sergipe e pelo Incra em 2007, quando foram criadas 32 colônias agrícolas em mais de 100 mil tarefas de terra. Centenas de famílias estão produzindo nessas áreas, e agora, serão investidos R$ 420 mil na concessão de títulos de terra e regularização dessas colônias agrícolas.

Na avaliação do secretário André Bomfim, que foi representado no ato que oficializou a assinatura, pelo diretor administrativo da Seagri, Domingos Santos, e pelo presidente da Emdagro, Jefferson Feitoza; trata-se de um volume de recursos considerável, que beneficiará muitas famílias nas comunidades rurais. “Por isso, agradecemos ao Incra por mais essa importante parceria e por depositar no Governo de Sergipe a confiança necessária à execução. Agradecemos, em especial, ao presidente do Incra, Geraldo Melo Filho; ao superintendente regional Victor Sande; e aos diretores Giuseppe Vieira, Humberto Maciel e Udo Gabriel; que em Brasília, encaminhara, com celeridade o pleito do Estado de Sergipe”, afirmou.

Segundo o superintendente regional do Incra, Victor Sande, os convênios são frutos da parceria estratégica entre o Governo Federal e o Estado de Sergipe, e trarão inúmeros benefícios ao povo sergipano. “Os recursos disponibilizados pelo INCRA para esses convênios favorecerão centenas de beneficiários da reforma agrária e de outros produtores rurais do Estado. Alguns desses convênios, especialmente os de regularização fundiária, são o grande foco do Governo Federal atualmente, inclusive porque visa dar ao cidadão o título de propriedade das terras onde vivem e onde produzem, fazendo com que possam comprovar que são, efetivamente, donos do patrimônio construído ao longo de suas vidas. Essa parceria entre os entes é realmente fundamental para a eficiência das políticas públicas e para ampliar seu alcance, resgatando a dignidade do nosso povo”, disse Victor.

Ainda de acordo com o secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, os títulos dão segurança jurídica aos proprietários da terra, entre outras vantagens. “A regularização também abre possibilidades de acesso a crédito, a políticas públicas e benefícios previdenciários para esses agricultores”.

Fonte: Seagri

 

Presidente da Cohidro participa de Sessão da Alese com secretário de Estado da Agricultura

Sessão extraordinária remota foi transmitida ao vivo pela TV Alese
Foto: Jadilson Simões

Nesta quinta-feira, 1º de outubro, o presidente da Cohidro, Paulo Sobral, participou, juntamente com o presidente da Emdagro, Jefferson Feitoza de Carvalho, da sessão extraordinária remota da Assembleia Legislativa de Sergipe, presidida pelo deputado estadual Zezinho Sobral, em que o secretário de Estado da Agricultura, André Luiz Bomfim, apresentou um panorama da conjuntura agropecuária de Sergipe, dos impactos da pandemia no setor e das políticas públicas desenvolvidas pelo Governo de Sergipe em apoio aos produtores rurais. Em sua fala, o secretário destacou três ações principais de cada uma das suas empresas vinculadas, destacando como incentivos realizados através da Cohidro, o Programa Água para Todos; a revitalização das Estações de Bombeamento com a reversão da tarifa de água paga pelos irrigantes dos perímetros; e a instalação e recuperação de sistemas de abastecimento comunitários em povoados rurais.

 

“Só do Água para Todos, foram cerca de R$ 6 milhões aplicados em sistemas simplificados de água. E conseguimos em Brasília mais R$ 2,5 milhões em rendimentos, beneficiando cerca de 6 mil pessoas no campo. A água é fundamental e básico para qualquer população, especialmente na zona rural. Também destacamos a inovação da Cohidro na revitalização das estações de bombeamento dos perímetros irrigados. Aproveitamos para agradecer a todos os parlamentares pelos mais de R$ 500 mil destinados, através de emendas, para a perfuração de poços ou instalação de sistemas simplificados”, pontuou o secretário André Bomfim.

 

Após a explanação do Secretário, os deputados Georgeo Passos e Zezinho Guimarães, autor da propositura, fizeram perguntas, sendo algumas delas relacionadas ao trabalho desenvolvido pela Cohidro. Respondendo o deputado Zezinho Guimarães sobre o andamento da execução das emendas parlamentares destinadas à empresa, o presidente da Cohidro, Paulo Sobral, afirmou que o projeto está pronto na Cohidro, apto a fazer a execução, aguardando o sinal verde da Sefaz. O presidente também aprofundou o tema da mudança de cultura que está acontecendo nos perímetros irrigados gerenciados pela Cohidro.

 

Paulo Sobral [Foto: Jadilson Simões]
“Por atender um público de mais de 90% de pequenos agricultores, a Cohidro, atua em parceria com a Emdagro, nessa perspectiva de que o agricultor tem que ter a condição de produzir e sobreviver. E quero destacar que vivemos uma mudança de cultura nos nossos perímetros irrigados. Tínhamos anos e anos com altos índices de inadimplência na tarifa de água. Mas com essa visão do Governo de buscar trazer o produtor para essa parceria e mostrar a importância e a necessidade do pagamento dessa tarifa, temos conseguido mudar isso. Tínhamos perímetro com 80% de inadimplência, mas em 2019, fechamos com quase 90% de adimplência. Com a Covid, tivemos uma perda, estamos em quase 70%. Mas é um grande avanço. São etapas a serem superadas gradativamente, até para que o produtor tenha condição de pagar. Conseguimos isso mostrando pra eles que estamos fazendo investimentos nos perímetros para melhoras sua condição de trabalho. Havia estações de bombeamento há 30 anos sem recuperação. Estamos na quarta recuperação de Estações de Bombeamento de Canindé, por exemplo, envolvendo as partes civil, mecânica e elétrica. Já fizemos o mesmo em Lagarto e em Itabaiana, sempre revertendo os valores da tarifa de água paga pelos agricultores, em melhorias para a infraestrutura que os serve”, disse.

 

Sobre o questionamento acerca do Ceasa de Aracaju, o presidente da Cohidro mencionou ações que estão sendo adotadas no sentido de possibilitar a contribuição dos usuários. “Temos que ter o entendimento de que o sistema do Ceasa de Aracaju é um sistema diferente do de Itabaiana, que está sendo implantado agora, do zero. O Ceasa de Aracaju tem mais de 30 anos e pessoas que já estão naqueles boxes. Estamos, junto com a PGE e o MPE, discutindo um mecanismo de fazer e estamos trabalhando pra buscar uma contrapartida para o estado pelo uso do espaço. Buscando caminhos para isso. Tivemos, inclusive, uma reunião semana passada com a PGE discutindo ações efetivas com relação à Ceasa”, pontuou.

 

Paulo Sobral ainda reafirmou o trabalho árduo das equipes da Cohidro, mesmo com o advento da Covid-19. “Nessa pandemia, a Cohidro não parou um dia sequer, por entender a essencialidade das suas ações, tanto no abastecimento de água quanto no que se refere à irrigação para a produção de alimentos. Enfrentamos as mesmas dificuldades da Emdagro em relação ao envelhecimento do corpo técnico, mas estamos empenhados e vendo avanços contínuos, buscando evoluir cada vez mais. A Cohidro está à disposição dos parlamentares para qualquer dúvida e qualquer ação que venha a ser proposta”, concluiu Paulo Sobral.

Fotos: Jadilson Simões

Projeto de Combate à desertificação distribuirá mudas de gliricídia e palma forrageira para pequenos pecuaristas

Seagri, Emdagro, Cohidro, MMA e PNUD incentivam plantações consorciadas em benefício de mais de 3 mil famílias

[Foto: arquivo pessoal]
Agricultores irrigantes de Tobias Barreto estão entre as mais de 3 mil famílias que serão beneficiadas com sementes da palma forrageira Orelha de Elefante e mudas de gliricídia, para criar campos de produção consorciada. As espécies servem de ração para o gado leiteiro, vocação produtiva da região. Em agosto, no Perímetro Irrigado Jabiberi, foi dado mais um passo do Projeto Sergipe de Combate à Desertificação, fruto da parceria entre o Governo de Sergipe, Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF). A execução fica por conta da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), tendo na ponta a expertise técnica da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário (Emdagro) e da Companhia de Desenvolvimento de Recurso Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), que gerencia o Perímetro.

O projeto tem por objetivo introduzir políticas públicas de manejo sustentável da terra aplicando tecnologias socioambientais, para elevar a produção rural nas áreas susceptíveis à seca (ASS) ou à desertificação (ASD). Em outras áreas do Semiárido Sergipano, ainda serão implantados projetos de ‘bioágua’ (reuso da água) para quintais produtivos; de enriquecimento (agroflorestal) da Caatinga; de captação de água em cisterna ‘calçadão’ para pequenas Irrigações; de criação bancos de sementes crioulas; emprego de práticas de conservação de solo e a contratação de consultoria técnica. Na última semana, uma webcapacitação foi realizada pela Seagri, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa (Embrapa Semiárido), tendo como tema central a produção, o manejo e a utilização de gliricídia para alimentação animal. O curso foi ministrado pelo médico Veterinário e doutor em zootecnia da Embrapa, Rafael Dantas.

O secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, reforçou a relevância da iniciativa conjunta, que busca também fortalecer os projetos de assentamento de reforma agrária no estado. “Serão entregues mais de 140 mil mudas de gliricídia, a partir do dia 31 de agosto. Só com a gliricídia serão beneficiadas 350 famílias neste primeiro ano. Até o final do projeto, essa parceria com MMA, PNUD e demais entes deverá beneficiar mais de 3 mil famílias. Em diálogo com os parceiros, entendemos a importância da gliricídia, tanto no combate à desertificação quanto para a sustentação da bacia leiteira sergipana. Estamos falando de uma planta que é fixadora de nitrogênio, tem um teor de proteína considerável e é uma leguminosa que reduz o custo de produção para a cadeia leiteira”, pontua André Bomfim.

No Jabiberi, para ter acesso à palma, os pequenos produtores irrigantes do Perímetro se comprometeram a doar o saldo da primeira colheita de ‘raquetes’ para beneficiar mais pessoas. Dessa forma, os bancos de espécies forrageiras se multiplicarão e atenderão, também, outros produtores. Irrigante do Jabiberi, Uilde de Jesus já teve êxito no plantio de palma forrageira e de capim elefante irrigados, para alimentar 10 vacas e 50 cabeças de ovinos. Agora, prepara o solo em um hectare do seu lote para abrigar a plantação a ser replicada com os criadores vizinhos. “Sou presidente da associação dos produtores aqui e a minha ideia é que todo mundo tenha um pedaço do lote com a palma e a gliricídia plantados, para na época da seca, a gente ter para dar para os animais. Com a gliricídia, a palma e o capim elefante, poderemos substituir o uso do farelo soja e um pouco do milho. Já fiz um teste e foi excelente. Reduz ao máximo a compra desses itens, que representam mais de 50% do custo do leite da gente. A gliricídia substitui a soja, a palma substitui o milho e o volumoso é feito com o capim elefante. Aí é só jogar na cocheira”, detalha.

Pedro Vidal, por sua vez, tem experiência no uso da gliricídia na alimentação de suas 18 vacas de leite. “Hoje, eu trabalho com ela com o capim de ração, meio a meio. E, para mim, é muito importante, porque o teor de proteína dela é muito alto e as vacas aumentam a produção de leite. Os animais têm muito boa aceitação à gliricídia”, argumenta. Domingos Souza tem um rebanho de 48 animais criados também no Jabiberi e vê na colaboração, proposta no projeto da Seagri, uma forma dos pequenos pecuaristas crescerem juntos. “Quero ter mais alimentos para o gado, minha área aqui é pequena. Vejo como uma forma de crescer nosso rebanho ajudando uns aos outros”. Ambos os produtores beneficiários do projeto, tocam seus próprios lotes há cerca de 10 anos, depois de trabalharem para outros criadores.

Irrigação
As espécies forrageiras implantadas no projeto têm o crescimento vegetativo acelerado ao receber a irrigação, e possuem resistência à seca. Características adequadas à realidade do Jabiberi que, depois de passar a compartilhar seu reservatório com o abastecimento humano na área urbana, precisou suspender o fornecimento de água aos lotes em anos de maior escassez de chuva. Paulo Sobral, diretor-presidente da Cohidro, considera o convênio um avanço. “Como a oferta de água diminuiu, o criador não pode depender só da água para ter o alimento dos rebanhos. Fizemos mudanças para ter irrigação [se não for em todo] por um período maior do ano. Reduzimos o tempo diário de fornecimento de água para cinco horas e construímos, com esses 74 irrigantes, novos reservatórios de 100 mil litros, adaptados ao novo regime de distribuição de água”, explicou.

CEASA de Itabaiana irá ampliar escoamento da produção agrícola no Agreste gerando cerca de 600 postos de trabalho

A estimativa é que sejam internalizadas 6.800 toneladas de alimentos hortifrúti e carnes de modo geral

Perímetros irrigados da Ribeira e Jacarecica I são produtores de alimentos a serem escoados na nova Ceasa [foto: Fernando Augusto]
Estudos preliminares do Governo de Sergipe indicam que na nova Central de Abastecimento (Ceasa) de Itabaiana irá abrir cerca de 600 postos de trabalho, além de oportunizar serviços remunerados indiretos relacionados à logística de carga e descarga de alimentos e transporte, gerando novas oportunidades de geração de renda para a população. Cada vez mais perto de entrar em funcionamento, a Ceasa já tem concessionária definida, após realização de licitação, e é o primeiro projeto do Programa de Parcerias Público-Privadas (PPP) do governo do Estado. O contrato de concessão de uso foi assinado com a Iconbras (Inovação em Concessões do Brasil SPE Ltda.) pelo governador Belivaldo Chagas, na última semana.

A empresa deverá modernizar, manter e administrar o espaço, que é alvo de grandes expectativas dos produtores da região, enquanto canal impulsionador para o escoamento da produção agrícola do Agreste, já conhecido pela força do seu comércio. Outro aspecto importante, segundo o estudo, é o aumento no volume de mercadorias comercializadas. A estimativa é que sejam internalizadas 6.800 toneladas de alimentos hortifrúti e carnes de modo geral, mas com expectativa concreta de ampliação, visto que no município existem dois perímetros irrigados da Cohidro – Ribeira e Jacarecica I – que, juntos, já chegaram a produzir em média mais de 20 mil toneladas.

Segundo o governador Belivaldo Chagas, a Ceasa de Itabaiana resulta de um investimento de mais de R$ 30 milhões. “Os feirantes e clientes vão poder desfrutar de um espaço amplo e moderno para organizar os produtos e abastecer as feiras dos povoados e municípios próximos. Quando a empresa passar a administrar a Ceasa de Itabaiana, ela vai fazer investimentos de mais aproximadamente R$ 9 milhões de reais. A Ceasa impulsionará o comércio da região”, pontuou o governador. O administrador da Iconbras, Bruno Barreto, reconheceu a qualidade da estrutura que já está pronta no local. “A estrutura que existe na Ceasa de Itabaiana, hoje, é uma estrutura muito boa. É uma estrutura que, realmente, precisa somente ser adequada a algumas atividades. Por isso vamos fazer investimentos adicionais. E aí a gente vai aplicar também em toda a parte operacional”, afirmou.

Produtores e comerciantes se mostram confiantes. O produtor José Carlos Nascimento, vem de uma geração de pais irrigantes no perímetro Jacarecica I e reafirma a importância da Ceasa para quem planta. “Vai ter mais facilidade para comercializar nossa produção, com preços melhores para os feirantes de nossa região, evitando pagar frete para feiras distantes”, diz o produtor. O produtor José Wilson, que comercializa hortifrúti há mais de 15 anos no mercado de Itabaiana, conta que se apressou em fazer o cadastro para comercializar na Ceasa, porque vê vantagens no novo espaço.

“Sou comerciante de verduras no mercadão de Itabaiana, trabalho com uma variedade de hortaliças como repolho roxo e verde, acelga, berinjela, abobrinha, chuchu, pepino, pimentão. Acho que a Ceasa vai ser de grande vantagem pra nós, uma benfeitoria. Estive lá para conhecer e vi que vai ter agência bancária que ajudando na segurança, tem vigilante, tem espaço para descarregar o caminhão com facilidade, o ponto de venda é coberto e tem limpeza – tudo que não temos hoje. Porque quem trabalha aqui mercadão sabe que o espaço é pequeno, não tem como descarregar as mercadorias próximo, não tem segurança e comercializamos no meio da rua. Por todas essas vantagens que já fiz meu cadastro no CEASA e estou incentivando outros colegas a fazer o mesmo”, conta José Wilson.

A Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) será a responsável por coordenar o processo de concessão de uso da CEASA Itabaiana, conforme decreto nº 40.516/2020. Segundo o dispositivo, a Seagri deverá fiscalizar, acompanhar, normatizar e gerir o contrato, cumprindo seu papel na operacionalização da atividade de escoamento de produtos agrícolas e de oferta de alimentos. O secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, comemorou e destacou a relevância da concessão. “A população vai ter mais uma opção de aquisição de alimentos e por isso a gente espera que toda a Agricultura saia fortalecida desse processo. É motivo de comemoração também a criação de dezenas de empregos, diretos e indiretos, que a Central vai gerar na região e tem odo estado”, conclui André Bomfim, que realizou nova visita na Ceasa na última quinta-feira (06), para acompanhar de perto o andamento das atividades no local.

 

Fonte: Seagri Sergipe

Agricultura familiar continua como alternativa viável de atividade econômica durante a pandemia

Estimativa de safra é positiva para 2020, e poder público e agricultores unem esforços para encontrar alternativas de escoamento

O casal de agricultores de Itabaiana – Lindinalva da Silva e Odair José dos Santos [Foto: Fernando Augusto]
Neste fim de semana, se celebra o Dia Internacional da Agricultura Familiar (25 de Julho), atividade econômica que continua forte em Sergipe e em plena expansão, segundo avaliação da Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (SEAGRI). De acordo com o censo do IBGE 2017, cerca de 77% dos 93 mil estabelecimentos rurais em Sergipe são compostos por agricultores familiares. Aqui no estado, como em todo o Brasil, a atividade é a principal responsável pela produção dos alimentos disponibilizados para consumo da população. A produção de arroz no Baixo São Francisco, a laranja produzida no Sul Sergipano, a pecuária leiteira do Alto Sertão, a ovinocaprinocultura no Agreste e Sertão, e a produção de mandioca na região Centro-Sul são bons exemplos de atividades agropecuárias significativas para a economia do estado, com participação importante do agricultor familiar. Regulamentada pela Lei 11.326, de 24 de julho de 2006, a atividade é constituída de pequenos produtores rurais, povos e comunidades tradicionais, assentados da reforma agrária, aquicultores, extrativistas e pescadores,

As estatísticas de safra 2020 para Sergipe apresentadas no último Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, publicado em junho pelo IBGE, mostram crescimento em várias culturas – em grande parte, de produção familiar. O milho, por exemplo, tem previsão de safra de 740 mil toneladas – alta de 13,9% em relação a 2019, ficando como 4º maior produtor do nordeste. O feijão tem produção estimada em 4.329 toneladas – alta de 33,9% em relação a 2019. Entre os grãos, apenas a safra de arroz apresentou queda de -5,3% em relação a 2019, mas com previsão de 32.619 toneladas, o que mantem o estado como 3º produtor do Nordeste. A safra da laranja, por sua vez, tem estimativa de 364.000 toneladas este ano, mantendo Sergipe como 5º produtor nacional e 2º do Nordeste.

Durante a pandemia, o gargalo, segundo os produtores, tem sido o escoamento da grande produção que vem contrastando com a redução da procura pelos produtos, em razão do isolamento social para enfrentamento à pandemia de Covid-19. Mesmo assim, iniciativas têm sido tomadas para incrementar as vendas. Entre elas, investimentos da Fundação Banco do Brasil que viabilizaram, por meio da Associação Camponesa de Sergipe (Accese), a compra e distribuição de 2.200 cestas de alimentos da agricultura familiar. Outra ação importante é o início da entrega dos alimentos produzidos nos perímetros púbicos ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da Conab. Segundo a Cohidro, o Califórnia e outros dois projetos similares estão autorizados a iniciar entregas e outros dois estão em processo de ranqueamento para participação. As cinco propostas, se aceitas, poderão injetar em torno de R$ 600 mil nos perímetros irrigados do estado e destinar mais de 200 toneladas de alimentos à doação. Ainda sobre o escoamento da produção, a Seagri afirma que já foram aprovados R$ 700 mil do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Funcep) para a compra de alimentos da agricultura familiar via chamada pública neste segundo semestre, com investimento de R$ 130 mil do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), parceiro do Governo do Estado.

Políticas Públicas e bons resultados
O secretário de estado da Agricultura, André Luiz Bomfim Ferreira, destaca que os agricultores familiares têm acesso a políticas públicas que vêm contribuindo para manutenção e expansão das atividades produtivas. “As políticas do Estado têm priorizado as atividades da agricultura familiar, seja via Seagri, Emdagro, Cohidro ou Pronese. A Emdagro, com escritórios por todo o estado, presta assistência técnica rural e fomento à produção. Exemplos são o programa de Distribuição de Sementes – só este ano, foram 43,6 toneladas entregues, em parceria com Embrapa, FIDA e empresa Di Solo; o programa de Melhoramento Genético do Rebanho Leiteiro (IATF); o Programa de Regularização Fundiária; e o apoio à regularização das queijarias – só para citar algumas. Não se pode negar também o valioso trabalho da Cohidro na modernização e gestão dos perímetros públicos irrigados. Para se ter ideia, em 2019, os perímetros produziram 39 mil toneladas de alimentos, além das centenas de poços perfurados ou recuperados, assim como as barragens. Através do Pronese, o governo estadual vem implementando o Programa Nacional de Crédito Fundiário/Terra Brasil em parceria com o Ministério da Agricultura, que já possibilitou o acesso à terra para mais de 2 mil famílias. Tem também as políticas feitas em parcerias nacionais e internacionais  com Embrapa, Ministério da Agricultura, Ministério do Meio Ambiente, Incra , FIDA, PNUD, voltadas para o pequeno produtor ”, relacionou André.

O testemunho dos agricultores é a maior prova da força deste setor. Dá gosto de ver, por exemplo, a horta na propriedade de Davi Matos Cirilo, no povoado Apertado de Pedras, município de Simão Dias (SE). Tudo orgânico: alface, tomate, repolho, coentro, pimentão. “A gente tem de tudo um pouco e serve tanto para o consumo da família como para vender aqui na vizinhança”, explica o agricultor. A família do senhor Davi e mais 21 famílias deste povoado receberam apoio financeiro do Projeto Dom Távora para produção de ovinos, aves, horta comunitária e sistema de abastecimento de água. Outro produtor, Ranulfo Moura, em Capela, em menos de três anos, adquiriu um pedaço de terra por meio do Crédito Fundiário, e tem na fruticultura sua principal atividade. “Hoje, mesmo com a pandemia, estou com 25 mil pés de abacaxi, 200 bananeiras, 60 laranjeiras, 10 mangueiras e outras culturas menores. Faço a venda direta das frutas nas feiras aqui da região e envio também para a Central de Abastecimento de Aracaju – CEASA”, pontuou.

 

Fonte: Ascom/Seagri

Última atualização: 12 de agosto de 2020 13:48.