Sementes produzidas na irrigação pública de Canindé começam a ser beneficiadas

No perímetro Califórnia, pimenta habanero tem sementes extraídas para indústria de insumos. No perímetro Piauí, fruto é cultivado para fábrica de molhos picantes
Processo mecanizado de extração das sementes da pimenta habanero – Foto Perímetro Irrigado Califórnia Coderse

Agricultores de Canindé de São Francisco, no alto sertão sergipano, estão beneficiando vegetais cultivados com a água de irrigação e assistência técnica fornecidas pelo Perímetro Irrigado Califórnia, para a produção de sementes. São 15 hectares de lavouras que passaram por um alto padrão de correção de solo e de controle da sanidade das plantas. Tudo para satisfazer o padrão de qualidade que a indústria de sementes exige.

A Cooperativa de Fomento Rural e Comercialização do Perímetro Irrigado Califórnia (Coofrucal) tem contrato para fornecer sementes à Agristar do Brasil e conta com a parceria da Companhia de Desenvolvimento Regional de Sergipe (Coderse), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), que administra o perímetro Califórnia. Contribuem com a qualidade da produção de sementes, o corpo de técnicos agrícolas da empresa pública em Canindé, como reforça o presidente da Coofrucal, Levi Ribeiro.

“No Califórnia, tem quiabo, berinjela, pimentas, abóbora e pepino. Na última semana, iniciamos o processo de extração de pimenta [habanero orange] e nesta semana, iremos continuar esse processo de extração de pimenta, berinjela, e já também dando início à extração de semente de abóbora. Queremos agradecer muito o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Agricultura e da Coderse”, destacou o presidente Levi Ribeiro.

Gerente do Califórnia, Anderson Rodrigues lembra que o contato entre cooperados do perímetro e a indústria foi firmado em setembro. “A partir do final daquele mês, teve início a plantação mecanizada das áreas de quiabo para extração da semente. Tudo acompanhado de perto por nossos técnicos agrícolas e com a garantia de fornecimento de água de irrigação, através da estrutura da Coderse”, observou.

O diretor de Irrigação da Coderse, Júlio Leite, considera a produção de sementes como um avanço no agronegócio praticado pelos irrigantes de Canindé. “Os irrigantes têm a liberdade de praticar a venda da produção irrigada, da forma que for mais vantajosa para eles, sem interferência da Coderse. Mas quando surge uma oportunidade como essa, de melhorar a rentabilidade em cada hectare plantado, a gente apoia, orienta o plantio diferenciado e dá o respaldo com a irrigação. Sem dúvida, um grande negócio para esses produtores”, pontuou.

Pimenta habanero
Essa variedade de pimenta é uma das que mais apresenta nível de ardência. Depois de cultivados na irrigação do perímetro Califórnia, os frutos da habanero já passaram pelo processo de extração de sementes, feito pela cooperativa de Canindé. As sementes do vegetal têm mercado em outro perímetro irrigado da Coderse, o Piauí, em Lagarto, no centro-sul sergipano. Lá, essa pimenta é cultivada e colhida pelos produtores irrigantes, e fornecida à indústria local de molhos picantes.

Projeção de crescimento
Levi Ribeiro anuncia que a parceria com a indústria e Coderse, ainda tem potencial de crescer mais em 2024. “Nós temos uma projeção maior, que é plantarmos 52 hectares. Então, o projeto está consolidado, os produtores estão muito animados e confiantes que vai dar certo. Já deu certo”, comemora o presidente da cooperativa.

Produtores da irrigação pública estadual vão produzir sementes no alto sertão

Serão 12,2ha irrigados produzindo os insumos no perímetro da Coderse. Primeira colheita e beneficiamento de sementes de quiabo acontece daqui a 90 ou 100 dias.
As lavouras para a produção de sementes são feitas a partir de avaliação topográfica e correção de nutrientes a partir da análise de solos. O plantio também é feito de maneira mecanizada

Sementes de quiabo, abóbora, berinjela, pimenta jalapeño e cebola serão os mais novos itens a serem produzidos a partir da irrigação do Perímetro Irrigado Califórnia, em Canindé de São Francisco, alto sertão sergipano. Com a água para irrigação e assistência técnica agrícola fornecida pelo Governo de Sergipe, produtores irrigantes passaram a ser parceiros de indústria de porte nacional.

A Agristar do Brasil fornecerá insumos para o cultivo de 12,2 hectares de lotes de oito irrigantes inseridos no perímetro Califórnia. Levi Ribeiro, presidente da Cooperativa de Fomento Rural e Comercialização do Perímetro Irrigado Califórnia (Coofrucal), explica que já foram plantados 2,5ha de quiabo e que eles estão preparando terreno e insumos para o restante da área.

“Ainda estamos desenvolvendo as mudas para no próximo mês fazer o transplantio. Também o aporte para compra dos fertilizantes, e outros insumos. Análise de solo e o preparo da terra estão sendo adiantados pela cooperativa, com reembolso na colheita. Toda assistência técnica agrícola continua sendo da Coderse (Companhia de Desenvolvimento de Regional de Sergipe)”, informou Levi Ribeiro.

O presidente da (Coderse), Paulo Sobral, disse que a conquista agrega valor à produção do perímetro administrado pela empresa. “O Governo do Estado mantém o perímetro por 36 anos e o retorno financeiro do agricultor agora é elevado à outra categoria, ao fornecer sementes para o beneficiamento e venda a horticultores de todo Brasil”, avalia o diretor da companhia vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri).

José dos Santos é um dos irrigantes que já tem 1,3ha do seu lote irrigado ocupado com o plantio de quiabo para a produção de sementes do vegetal. “Eu estou vendo que coisa está boa. Se a pessoa aplicar certinho, eu acho que vai ter um bom resultado. O período de produção é o mesmo do quiabo. A colheita para vender na feira, é verde, mas para colher para semente, tem que ser ele seco, entre 90 e 100 dias”, destacou.

Mercado regional
O quiabo plantado em Canindé é de uma variedade utilizada por irrigantes dos cinco perímetros irrigados mantidos pelo Governo do Estado em Sergipe, principalmente o Califórnia, o maior produtor. Já a pimenta jalapeno tem mercado na indústria de molhos e é cultivada pelos agricultores irrigantes assistidos pela Coderse em Lagarto.

“A produção de sementes será com espécies que vão se adaptar bem ao clima e sol abundante do alto sertão e vai ser indispensável a água fornecida pela Coderse. Ao mesmo tempo, vão gerar produtos que são adquiridos por agricultores sergipanos. Dentro e fora dos perímetros irrigados”, colocou o diretor de Irrigação da Coderse, Júlio Leite.

Já plantou um hectare de quiabo e está preparando área de 0,3 ha, a ser ocupada com a pimenta jalapeño, o irrigante do Califórnia, Marcos Vasconcelos. “Na próxima semana eu vou plantar a pimenta, que é para colher as sementes. Pretendo fazer com que dê certo essa parceria e continuar plantando para a produção de sementes. No momento, para mim, é mais viável”, disse.

Irrigantes do perímetro estadual em Canindé poderão produzir sementes para marca de insumos agrícolas nacional

Indústria tem mais de 200 itens no catálogo para produzir vários tipos de hortaliças. Sementes de quiabo seriam primeiro produto fornecido por produtores do perímetro Califórnia

Visitas da cooperativa, técnicos da Coderse e representante da Agristar, feitas aos produtores irrigantes [foto arquivo pessoal – Coderse]

Empresa de porte nacional e com ampla linha de sementes está em tratativas para implantar unidade de produção em parceria com os agricultores do Perímetro Irrigado Califórnia. O polo agrícola que é mantido pelo Governo do Estado fica em Canindé de São Francisco, alto sertão sergipano. A possibilidade dos produtores rurais cultivarem e comercializarem esses insumos com a indústria, agrega valor sobre a produção convencional, que hoje foca na produção de alimentos.

Solo rico, sol abundante e a água do rio São Francisco bombeada pela Companhia de Desenvolvimento Regional de Sergipe (Coderse), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, do Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), são os elementos que tornam a Agricultura no Califórnia uma aposta certa para o rendimento, de boas colheitas e durante todo ano. De olho em todo este potencial produtivo, a Agristar do Brasil foi até Canindé para entendimento comercial com os produtores.

“Viemos conhecer todo o sistema de irrigação e de produção que nos atraiu, para a  possibilidade de produzir sementes. Estamos com o apoio da Coofrucal (Cooperativa de Fomento Rural e Comercialização do Perímetro Irrigado Califórnia) e estamos conversando. Para garantir a compra da produção com um preço fixado, tem que atender uma série de detalhes. Mas é bom que aqui também tenha uma assistência técnica”, apontou o representante da indústria, Everton Morales, que já esteve duas vezes no Califórnia.

O diretor de Irrigação da Coderse, Júlio Leite, expõe que além do fornecimento de água para irrigar os 333 lotes do Califórnia, a Coderse fornece assistência técnica agrícola e uma assessoria em Agronegócio. “Essa gama de serviços ao irrigante dá garantia de retorno ao investimento público que o governo do Estado faz no perímetro irrigado desde 1985, quando iniciou a sua construção”, pontuou.

“Empresas fora do nosso estado se interessam pela nossa produção, pelo nosso desenvolvimento aqui no perímetro Califórnia. A excelente produtividade no perímetro vem chamando atenção de pessoas que queiram investir no nosso perímetro. A parceria com a indústria será de grande ajuda para os produtores, uma renda extra, uma nova característica que pode ser implantada aqui”, avaliou Jonathan da Mota, gerente do Califórnia.

Levi Ribeiro é produtor irrigante no Califórnia e presidente Coofrucal. Para ele, trazer a empresa ao perímetro é importante para a geração de renda para os produtores, desenvolvimento da cooperativa e para o estado. “Eles estiveram aqui em março e viram um grande potencial. Até mesmo porque nós temos aqui água do rio São Francisco, solos férteis e um potencial que a gente pode explorar para a instalação de um projeto de produção de semente”, listou o agricultor. O produtor conta que desde o começo, a companhia estadual foi parceira na negociação com os representantes da indústria.

“Nós fomos até a Coderse, solicitamos ao gerente Jonathan e a equipe técnica, para estudarmos o projeto. Vendo a viabilidade. Na primeira visita, estivemos em alguns produtores fazendo foto, vendo in loco a produção do quiabo, e eles ficaram muito animados, otimistas com a capacidade de produção nossa região. Então a partir daí começou uma conversa com o pessoal da Coderse, que tem dado todo o apoio para a possível implantação desse projeto de produção de sementes, não só de quiabo como diversas outras hortaliças e frutas”, completou Levi Ribeiro.

Última atualização: 14 de julho de 2023 11:17.