Governo de Sergipe e Seagri investem no trabalhador do campo e na produção agrícola em 2023

Conquista do selo Sisbi, política de regularização fundiária, desenvolvimento dos perímetros irrigados e programa Água Doce foram alguns dos destaques do ano

Produção da batata-doce superou nos sete primeiros meses de 2023 toda a produção de 2022 / Foto: Ascom Coderse

A valorização dos trabalhadores rurais e o impulsionamento da produção no campo foram alguns dos pilares para a atuação do Governo de Sergipe no setor agropecuário em 2023. Para fortalecer esse circuito, a Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) tem atuado em todo o território, no sentido de dar suporte não só a quem produz e às regiões produtivas, mas também de qualificar o produto sergipano.

Para o secretário da Seagri, Zeca da Silva, as medidas do Governo de Sergipe buscaram incentivar a agricultura e a pecuária em suas diversas frentes. “As ações realizadas nesse primeiro ano do Governo do Estado sob a gestão do governador Fábio Mitidieri demonstram o conjunto de intervenções diretas da Secretaria da Agricultura, conjugadas aos órgãos vinculados, que resultaram em atividades estruturantes, no sentido de fortalecer os trabalhadores da agricultura. As iniciativas reforçam o compromisso do Governo do Estado com a promoção do desenvolvimento sustentável e a melhoria das condições de vida dos agricultores sergipanos, e estimulam a cadeia do agro no estado”, avalia.

Perímetros irrigados
Por intermédio da Companhia de Desenvolvimento Regional de Sergipe (Coderse), seis perímetros públicos irrigados vêm sendo administrados pelo Governo de Sergipe, com destaque para a produção de batata-doce e tomate. A produção de tomate no perímetro Irrigado Califórnia totalizou 294,5 toneladas nos nove primeiros meses de 2023, o que representa um aumento de 84% em relação ao mesmo período do ano passado. Já a batata-doce superou nos sete primeiros meses de 2023 toda a produção de 2022: foram 13,56 mil toneladas no período contra 11 mil toneladas em todo o ano passado, uma superação de 23,27%.

Nos cinco perímetros que mantém vocação agrícola, 110.155 toneladas de itens diversos foram produzidos. No perímetro irrigado Jabiberi, em Tobias Barreto, que é vocacionado à pecuária do leite, foram produzidos 2.295.500 litros de leite industrializados para 160 toneladas de produtos derivados. No total, foram comercializados R$ 212.396.328,57, considerando os seis perímetros.

Na colônia agrícola Valmir Mota, localizada em Canindé do São Francisco, e nos perímetros Califórnia, Piauí e Jacarecica II, foram distribuídos 732 mil metros de mangueiras para irrigação. O trabalho do Governo de Sergipe e da Coderse também envolve a recuperação das estradas vicinais nos perímetros Jacarecica II e Califórnia, assim como reparos e melhorias nas estruturas desses territórios. A assistência técnica com análise de solo e adubação e a distribuição de mudas e insumos também fez parte das atividades ao longo de 2023.

o que diz respeito à infraestrutura hídrica, foram perfurados 39 poços, beneficiando 2.738 famílias. Também foram feitos 77 bombeamentos com testes de vazão em novos e antigos poços, contemplando 4,2 mil famílias. Nas duas modalidades, o investimento foi de R$ 1.939.365,06. A recuperação de 753 pequenas e médias barragens foi mais um investimento, orçado em R$ 2,4 milhões. Em Poço Redondo, a recuperação da barragem Barra da Onça é fruto de um investimento de R$ 862.321,90.

Em 32 municípios, 7,6 mil famílias foram beneficiadas com um investimento de R$ 737.616,17 em sistemas de abastecimento a partir de poços profundos. No total, foram instalados 14 e recuperados 35 sistemas, sem contar a manutenção de 57.

Água Doce
O programa Água Doce foi mais uma ação do Governo de Sergipe em prol da agricultura, que teve a parceria do Governo Federal na implantação de dessalinizadores. No total, 29 sistemas foram implantados, beneficiando 6 mil pessoas do semiárido sergipano com 17,4 mil litros de água por dia. Também foram recuperados e manutenidos dez dessalinizadores. Para operá-los, 72 usuários passaram por recuperação e reciclagem.

Nas 29 comunidades de abastecimento, foram realizadas coletas e análises químicas, físicas e bacteriológicas da água. As famílias também passaram por cadastramento, levantamento socioambiental e oficinas de sustentabilidade. 

Produto sergipano
As ações de fortalecimento do Governo do Estado em prol da agropecuária sergipana têm rendido bons índices de produção. Em se tratando do milho, Sergipe é o quarto maior produtor do Nordeste e o primeiro em rendimento médio, com produtividade de 5.483 kg/ha. Em 2023, a produção deve chegar a 986 toneladas, representando um aumento de 11,2% em relação a 2022, quando foram produzidas 887 toneladas. Outro destaque é a produção de feijão-de-corda como cultura de rotação. De janeiro a setembro de 2023, a produção nos perímetros irrigados alcançou 805 toneladas, o que corresponde a um crescimento de 41% em relação ao mesmo período do ano anterior, com 570 toneladas.

Alcançando o mercado estrangeiro, a farinha de mandioca sergipana foi exportada para os Estados Unidos. Na primeira remessa, 310 kg foram enviados à Califórnia, sendo grande parte oriunda das casas cooperadas de Campo do Brito. A leva de exportação ocorreu em julho.

O estado também alcança bons números em diversas culturas: é o quarto maior produtor do Brasil de coco-da-baía e o terceiro maior produtor de arroz do Nordeste. Na laranja, é o quinto maior produtor nacional e segundo do Nordeste. Os dados também se repetem na aquicultura e na pecuária, já que o estado figura entre os quatro maiores produtores de camarão do país e, na produção de leite, é o 10º lugar no ranking nacional e o segundo do Nordeste em relação à aquisição e industrialização de leite cru.

Fonte: Notícias do Governo do Estado de Sergipe

Última atualização: 22 de janeiro de 2024 08:55.